quinta-feira, 30 de junho de 2016



Os Esbats
Além dos oitos Sabbats, os povos celtas celebravam também os Esbats, 
ou seja, as treze luas cheias ao longo do ano solar. A lua cheia foi 
venerada durante milênios por grupos de homens e mulheres, reunidos 
nos bosques, nas montanhas ou na beira da água, como a manifestação 
visível do princípio cósmico feminino, na forma das deusas lunares 
ou da Vovó Lua. Com o advento das religiões patriarcais, houve uma 
divisão na vida religiosa familiar. Os homens passaram a reverenciar 
os deuses – solares e guerreiros -, enquanto que as mulheres continu-
avam se reunindo para celebrar a lua cheia e honrar a Grande Mãe. 
A cristianização forçada e, principalmente, as perseguições dos "
caçadores de bruxas" durante os oito séculos de Inquisição, procuraram
 erradicar a "adoração pagã da Lua" e os Esbats foram considerados 
orgias de bruxas e manifestações do demônio.

A palavra Esbat deriva do verbo esbattre, em francês arcaico, signi
ficando "alegrar-se", pois essas celebrações não eram tão solenes 
como os Sabbats, proporcionando, além dos trabalhos mágicos, uma 
atmosfera jovial. Há também uma semelhança com a palavra "estrus" – 
o ciclo lunar de fertilidade -, reforçando a idéia da repetição 
mensal dessas comemorações.

Durante os Esbats, reverencia-se a força vital criativa, geradora 
e sustentadora do universo, manifestada como a Grande Mãe. A noite 
de lua cheia ou o plenilúnio, é o auge do poder da Deusa, sendo o 
momento adequado para rituais de cura e trabalhos mágicos. Usam-se 
altares – simples ou elaborados – com os símbolos da Deusa e acres-
centam-se os elementos específicos da lunação. Além dos rituais, há 
cantos, danças, contam-se histórias e fazem-se meditações. No final, 
comemora-se repartindo pão ou bolo e bebendo-se vinho, suco ou chá, 
brindando à Lua e ofertando um pouco à natureza em sinal de gratidão 
à Mãe Terra. O pão sempre simbolizou o alimento tirado da terra, 
enquanto que o vinho favorecia a atmosfera de alegria e descontração.

Atualmente, os plenilúnios são comemorados não somente pelos grupos 
estruturados da Wicca (os covens), neo-pagã ou xamânica, mas também 
por grupos de mulheres ou pelos "solitários". A Deusa está cada vez 
mais presente na vida e na alma das mulheres, os raios prateados da 
Lua realçando suas múltiplas faces.

Na Antiga Tradição, nas reuniões praticadas por covens ou individua-
lmente,o ponto máximo do Esbat é o ritual de "Puxar a Lua", ou seja, 
imantar uma sacerdotisa ou mulher com a energia da Deusa. O objetivo 
desse ritual é triplo: primeiro, procura-se a união com a Deusa para 
compreender melhor seus mistérios; segundo, busca-se imantar o espaço 
sagrado com a energia mágica da Deusa e, em terceiro lugar, objetiva-
se o equilíbrio dos ritmos lunares das mulheres e o aumento da ferti-
lidade, física e mental. Para atrair a energia da Lua, usa-se o punhal 
ritualístico (átame) ou um bastão consagrado, direcionando-o para um 
cálice com água. Invoca-se a Deusa e expõe-se seu pedido ou, simples-
mente, entra-se em contato com sua essência, deixando-a penetrar em 
todo seu ser. Fundir-se com a energia da Deusa é um ato de realização 
espiritual e jamais deve ser usado com fins egoístas, forjando mensagens 
ou avisos "recebidos" durante o ritual. Quando o propósito é sincero e 
o coração puro, a experiência é sublime e comovente. Após um tempo de 
interiorização e contemplação, tornam-se alguns goles da água 
"lunarizada" e despeja-se o resto sobre a terra, para "fertilizá-la". 
Como em outros rituais, os Esbats devem ser feitos após invocar-se os 
Guardiões das direções e os elementos correspondentes, criando-se o 
círculo mágico.

Além desse ritual tradicional e formal, pode-se celebrar o plenilúnio 
de forma mais complexa e criativa, usando-se os conhecimentos astro-
lógicos da polaridade Sol-Lua. Durante a lua cheia, a Lua se encontra 
no signo oposto ao do Sol, estabelecendo-se, assim, um eixo de 
complementação. Em certos grupos mistos, trabalha-se a polaridade 
Sol-Lua reverenciando-se o casal divino, representado por deuses 
solares e deusas lunares, escolhidos conforme as características 
astrológicas e espirituais do mês



Celebração do dia

30 julho
Oferendas e rituais de agradecimento para Zaramama, a Mãe dos Grãos no antigo Peru. Acreditava-se que ela encarnava na terra na forma de espiga de milho com alguma característica especial, como espigas germinadas ou cores estranhas. As pessoas ofertavam-lhes espigas, pendurando-as nas árvores, algumas delas “vestidas” como se fossem mulheres, com saias e xales. Depois das danças ritualísticas ao redor das árvores enfeitadas com oferendas, as espigas eram queimadas para assegurar uma boa colheita e as pessoas festejavam bebendo cerveja de milho.
Dia de Aestas, a deusa do milho e do verão celebrada em Roma durante o festival de Aestatis.
Na mitologia de vários países encontra-se a personificação do milho como mulher, mãe ou donzela.
Em outras culturas, a Deusa manifesta sua essência na última espiga escolhida, que era guardada para ser misturada às sementes para serem usadas no próximo ano.
Os povos nativos norte-americanos veneravam as Mães do Milho (Corn Mothers), enquanto os europeus faziam oferendas às Korn Mutter e às deusas Ziza e Zytniamatka.
Honre, você também, as deusas dos grãos fazendo, pessoalmente, um pão ou um bolo. Reúna seus familiares ao redor de uma mesa enfeitada com espigas de trigo e de milho e faça uma oração de agradecimento pelo seu sustento. Agradeça a Mãe Terra, às deusas dos grãos e frutos, aos Devas e a todos os seres elementais. Peça para que jamais lhe falte alimento e lembre-se de todas as crianças famintas no mundo, mentalizando soluções para seu sofrimento. Reparta o pão / bolo com seus familiares e leve um pedaço a uma árvore, junto com uma espiga ou um punhado de milho e uma fruta. Ofereça-os com gratidão às deusas dos grãos e assuma o compromisso de ajudar as crianças carentes ou abandonadas.

*informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur. 

sexta-feira, 25 de março de 2016

[25/3 15:01] Cesar Schiavi: Na verdade o ato de vc comer carne ou fumar só abaixa a frequência espiritual se vc for viciado... do mesmo jeito que vc pode usar a energia do sexo pra benefício próprio extrair dele só a energia boa. Vc tbm pode filtrar a e negra do cigarro tirando dela só a energia boa oq e é diferente de ser viciado. Tipo nois dois somos viciados não conseguimos ficar sem fumar isso já é um vício mesmo extraindo a energia o vício nos condena e nos limita... tipo se vc pega um cachimbo com fumo puro sem químicas consagrar o fumo vc nao baixa baixa a frequência por que vc tá energia ando o chacra cardíaco e os pulmões com ervas por que querendo ou não o fumo é uma erva que tem suas propriedades mágicas tbm assim como a ayuaska xamânica o chá de cogumelo e é a maconha
[25/3 15:01] Cesar Schiavi: NICOTIANA TABACO & NICOTIANA RÚSTICA*
img O tabaco aqui citado, não é industrializado, e sim o Tabaco Xamânico,uma planta ancestral. O Tabaco sempre foi considerado pelos índios como uma Planta de Poder, porém caiu em mau uso pelos brancos, perdendo sua força original e seu poder, sendo usado de forma viciante, responsável por terríveis males no organismo.
O tabaco selvagem é uma planta muito poderosa e curativa, em seu estado original e na forma correta de sua utilização. O tabaco é considerado uma das plantas mais sagradas do xamanismo. Ele fumado no Cachimbo Ritualístico, carrega as preces para o Universo.
É usado para fazer oferenda aos guardiões, ao Grande Mistério, etc.Fumar tabaco ( em ritual ) é evocar o Plano Espíritual.
Desde a aparição da Mulher Búfalo Branco para os nativos norte-americanos, o tabaco é considerado uma planta que traz claridade. Ele é o totem vegetal da Direção Leste, do Elemento Fogo. E, como tudo que é fogo, é ambíguo. Pode elevar, transmutar ou pode destruir.Quando o tabaco é utilizado espiritualmente, traz purificação, centramento, transforma energias negativas em positivas, serve de mensagero.Quando utilizado como vício pode matar.É utilizado no Xamanismo Universal. No Perú é fumado em rituais na Pipa ( cachimbo ) e na forma de cigarro. Os ayahuasqueiros chegam a dizer que :
Sin tabaco ! Sin la Ayahuasca ! Geralmente o fumo não é tragado ( tragar é coisa do vício ).
img
No Perú também extraem o mel de tabaco, um poderoso alterador de consciência.Podemos ver nos rituais afro ( candomblé, umbanda, etc) a utilização do tabaco pela entidades, fazendo purificações, passes, exorcismos, oferecer charutos em despachos,etc.
No Chanumpa (EUA), para cada pitada de tabaco, convida-se um espírito para participar do ritual. Ele também é ofertado para os espíritos, para o fogo, utilizado para abrir portais da mata, honrar a Criação, confeccionar bolsas medicinais, pacote de preces,etc.
Outras formas de utilização
Entre os mateiros brasileiros, eles utilizam-se do rapé, para se harmonizarem com os seres da floresta.
Existem várias formas de utilização. Por exemplo : ao invés de utilizar produtos químicos, agrotóxicos para combater pulgões e outras pragas no seu jardim, faça uma maceração a frio com 50gr. de tabaco puro, ou fumo-de-rolo picado, durante 24 horas.
Leve para a panela, adicionando 20 pimentas, uma colher de sopa de cinzas peneirada, um pedaçõ de sabão de coco e um maço de losna.
Deixe cozinhar por 20 minutos. Ao esfriar coe. Para utilizar dilua um copo dessa solução em 3 litros de água.

COMPRESSA PARA RETIRAR ENERGIAS NEGATIVAS
( Bom para dôr-de-cotovêlo, final de caso,etc )
Para meio litro de água, coloque 4 colheres de sopa de folhas secas de tabaco ( caso não ache, serve fumo-de-corda), levando ao fogo até ferver. Quando ferver, deixe mais 5 minutos em fogo brando e retire deixando em repouso por 15 minutos coberto por um pano branco. Coe.
Pegue um pano que cubra toda a area do abdômem.Molhe o pano na infusão do tabaco e coloque em seu abdômem, deixando por 30 minutos.Esta compressa remove energias emocionais estagnadas, formas de pensamentos, quebrantes, etc.
Segundo Sangirardi Jr., o caráter religioso da fumaça remonta tempos imemoriais. Desde as cavernas da pré-história, o homem adorava o fogo. O fogo aquecia. Preparava os alimentos. Aclarava as trevas noturnas. Afastava os animais bravios. E passou a afastar também os espiritos inimigos e as forças adversas. Do fogo nasce a fumaça, que passa a participar do mesmo poder de purificar, exorcizar, de evocar os espíritos.
Fumado ou ingerido, produz o extase dos curandeiros, colocando-os em contato com forças superiores e invisíveis, que lhes permitem curar doenças, prever o futuro, afastar maus espíritos, purifica e neutraliza forças adversas.
Como expansor da consiência, é também usado um mel de tabaco, que é lambido. Também conta-se, que na forma de rapé, é utlizado para harmonização com os sêres espirituais da floresta.
Os rituais com cachimbo são utilizados por todos os povos xamânicos de todos os continentes. Também utilizados na forma de charuto, ou na palha do milho, mascados.É utlizado pelos nativos como estulantes capaz de vencer a fome, a sede e o cansaço.
Muitos povos nativos contam a história de uma Mulher Sagrada, que engravidou de gêmeos. Mesmo dentro do útero esses dois gêmeos brigavam. Um representava tudo o que era bom nos humanos, enquanto o outro representava o oposto. Quando chegou o tempo do nascimento, o garoto bom nasceu de maneira tradicional. O outro gêmeo estava tão ansioso para sair do útero, que ele se chutou para fora da mulher, ferindo-a mortalmente.
O bom filho permaneceu com a mãe, e com seus extraordinários poderes, sepultou-a conforme suas instruções. Ela lhe contou que mesmo com sua morte, boas coisas viriam para o povo. Ele permaneceu próximo de seu túmulo por alguns dias, conforme seu pedido. Antes que ele fosse embora, viu que de seu corpo nasceram as tres plantas irmãs : milho - feijão e abóbora - que deste momento em diante dariam sustento ao seu povo. De sua fronte nasceu a Planta Sagrada : Tabaco.
O tabaco é considerado uma das plantas mais sagradas, por muitos povos nativos. Para os nativos norte americanos, quando fumado no Cachimbo Sagrado, ele carrega as preces para os espíritos. Com frequência, é usado para se fazer oferendas para os Espíritos Guardiões. Fumar tabaco é chamar o plano espiritual para ajudar. Segundo Sun Bear, se alguém fuma por diversão, estará continuamente chamando Espírito para sí com um falso alarme. A maior parte do tabaco comprado em lojas é misturado com material químico, nocivo à saude.
Um dos nomes nativo-americano para a mistura do fumo é "kinniknnik ", que pode ser uma erva apenas (uva-ursi) ou uma combinação.
O tabaco é uma planta de grande ajuda. Utilizada para defumação ou no Cachimbo Sagrado, ele pode, trazer novos começos para quem quer que o esteja usando ou para quaisquer projetos ou lugares para o qual ele é queimado

segunda-feira, 21 de março de 2016

Óleos Essenciais para o Outono






Outono é definitivamente uma época de transição e ajustamento: ela traz grande alívio para a sensação quente e úmida do verão. O clima torna-se mais seco, mais frio, com mais brisas e o ar mais fresco. Estar ao ar livre é mais agradável para as pessoas saírem de casa e serem mais fisicamente ativas. Mas, é também um momento em que as folhas verdejantes do verão come...çam a secar e cair das árvores e, a maioria das plantas herbáceas começa a morrer. As horas do dia diminuem também. Em geral,
Outono é um momento em que a natureza chama para dentro e as pessoas se sentem menos aterradas.

No Outono, as pessoas já voltaram para suas rotinas: escola, trabalho e outros afazeres. Considerando que o verão é despreocupado e divertido, o Outono é estruturado e produtivo. Para alguns, Outono é um tempo para ficar motivado, focado, concentrado e iniciar novos projetos. Para outros, Outono é inquietante e pode torná-los melancólicos, sombrios, ansiosos ou até mesmo depressivos.

Outono traz consigo alguns problemas físicos também. Muitas pessoas sofrem de alergias e de sintomas relacionados como congestão nasal, dores de cabeça, espirros e coceira nos olhos e na garganta. Resfriados e gripes se tornar mais distintos. Eczema, psoríase e outras condições de pele seca podem se estabelecer com o ar seco, temperaturas mais baixas e menor exposição à luz solar.

Alguns bons óleos essenciais para o Outono:

• Pele seca, eczema e psoríase - Benjoim, Gerânio, Camomila alemã, Helichrysum, Patchouli, Rosa e Sândalo. A escolha dos óleos carreadores é importante, especialmente com relação às condições da pele. Rosa Mosqueta e Tamanu para o eczema.

• Congestão e inflamação dos seios nasais - Cipreste, Eucalipto, Pinho, Ravintsava, Alecrim.

• Anti-oxidantes - Canela, Cravo, Eucalipto, Limão e Manuka.

• Alívio dos sintomas de gripes e resfriados - Palo santo, Eucalipto, Pinho, Abeto e Espruce.

• Foco e concentração - Manjericão, Pimenta do reino, Hortelã pimenta e Alecrim.

• Aterramento – Cedro Atlas, Cedro do Himalaia, Patchouli, Petitgrain e Vetiver

• Antidepressivos - Bergamota, Sálvia esclarea, Limão, Murta, Laranja doce e Ylang-ylang.

• Suporte durante as transições – Cipreste, Cedro Himalaia, Murta, Tangerina e Mil-folhas.

Aromaflora

domingo, 20 de março de 2016

Ritual do Sabbat Mabon

Ritual do Sabbat Mabon



Comece fazendo um círculo com cerca de 3m de diâmetro. No centro, erga um altar voltado para o norte. Sobre ele coloque uma vela da cor apropriada do Sabbat, um cálice com água, uma faca, um prato de sal, pó ou areia, um sino de altar consagrado e um incensório.

Enfeite o altar com a decoração tradicional sagrada, como bolotas, pinhas, malmequeres, rosas brancas e cardo. As flores poderão ser arrumadas em buquês ou guirlandas para o altar ou para o círculo, ou reunidas em uma coroa colocada no alto da cabeça.

Salpique um pouco de sal dentro do círculo e, então, trace-o com uma espada cerimonial consagrada ou com uma vareta, dizendo: COM SAL E A ESPADA CONSAGRADA EU CONSAGRO E TRAçO ESTE CíRCULO DO SABBAT SOB O NOME DIVINO DA DEUSA E SOB A SUA PROTEçãO. INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Acenda a vela e o incenso. Toque três vezes o sino do altar com a mão esquerda para iniciar o Ritual do Equinócio e conjurar os espíritos elementais. Pegue o punhal com a mão direita, volte-se para o leste e diga: OH SAGRADOS SILFOS DO AR E REIS ELEMENTAIS DO LESTE, EU VOS CONJURO E ORDENO A VIR E PARTILHAR DESTE RITUAL DO SABBAT NESTE CíRCULO CONSAGRADO.

Volte-se para o sul e diga: OH SAGRADAS SALAMANDRAS DO FOGO E REIS ELEMENTAIS DO SUL, EU VOS CONJURO E ORDENO A VIR E PARTILHAR DESTE RITUAL DO SABBAT NESTE CíRCULO CONSAGRADO.

Volte-se para o oeste e diga: OH SAGRADAS ONDINAS DA áGUA E REIS ELEMENTAIS DO OESTE, EU VOS CONJURO E ORDENO A VIR E PARTILHAR DESTE RITUAL DO SABBAT NESTE CíRCULO CONSAGRADO.

Volte-se para o norte e diga: OH SAGRADOS GNOMOS DA TERRA E REIS ELEMENTAIS DO NORTE, EU VOS CONJURO E ORDENO A VIR E PARTILHAR DESTE RITUAL DO SABBAT NESTE CíRCULO CONSAGRADO.

Toque três vezes o sino e coloque-o de volta no altar. Estique o braço direito, aponte a ponta do punhal para o céu e diga: AR, FOGO, áGUA, TERRA, VENTRE DA VIDA, MORTE PARA RENASCER. A GRANDE RODA DAS ESTAçõES GIRA, O FOGO SAGRADO DO SABBAT QUEIMA. SOMOS TODOS CRIANçAS DA DEUSA. E PARA ELA DEVEMOS RETORNAR.

Mergulhe a
lâmina do punhal no cálice com água e, depois, no prato de sal, pó ou areia e diga:
ABENçOADA SEJA A DEUSA DO AMOR, CRIADORA DE TODAS AS COISAS SELVAGENS E LIVRES. O CALOR DO VERãO DEVE AGORA TERMINAR. A GRANDE RODA SOLAR GIROU NOVAMENTE. QUE ASSIM SEJA!

Toque três vezes o sino do altar para encerrar o rito, afaste os espíritos elementais e agradeça à Deusa. Desfaça o círculo de maneira levógira com a espada cerimonial ou com a vareta.